Smile! You’re at the best WordPress.com site ever

Arquivo para a categoria ‘Nazarethe Fonseca’

Nazarethe Fonseca – Alma e Sangue – O Império dos Vampiros

Finalmente está chegando as livrarias a sequência de Alma e Sangue de Nazareth Fonseca que terá título Alma e Sangue – O Império dos Vampiros e estará disponível a partir de novembro de 2009 e tem a seguinte sinopse:

O inesperado encontro com Jan Kman, no sótão de um casarão abandonado em São Luiz, mudou a vida de Kara Ramos para sempre. Quando Kara decide narrar essa história, tem seu manuscrito roubado, e os segredos de um reino legendário passam a correr perigo.
Agora, o rei Ariel Simon precisará da ajuda de Kara e Jan para manter a sua coroa, mas nem tudo é o que parece ser, e mesmo uma criatura milenar não escapará das batalhas e intrigas para garantir que o segredo dos vampiros não seja revelado aos mortais. “O império dos vampiros” é o segundo volume da saga “Alma e Sangue”, que teve início com “O despertar dos vampiros” e continua em “O pacto dos vampiros”.

Nazarethe Fonseca – Alma e Sangue – O Despertar do Vam

A Editora Aleph publica uma nova edição do livro Alma e Sangue – O Despertar do Vampiro de Nazareth Fonseca, livro que havia sido publicado pela Editora Novo Século, a novidade deste volume é que ele traz o primeiro capítulo da continuação que se chamará Alma e Sangue – O Império dos Vampiros.
Destaco que o livro já foi comentado neste blog. Ficamos ansiosos aguardando a finalização da continuação da história, pois este livro é um dos melhores livros de vampiro dos últimos anos. Veja a sinopse abaixo:

Kara Ramos é uma jovem restauradora, determinada e espirituosa, que aceita o desafio de reformar um casarão abandonado na cidade de São Luís, no Maranhão. Porém, o que ela jamais poderia imaginar era encontrar adormecida no sótão uma criatura com mais de 300 anos, sedenta de sangue e vingança. Agora que despertou, o vampiro Jan Kmam irá até as últimas consequências para se vingar de seus inimigos. Para tanto, não hesitará em envolver Kara em seu mundo de sombras e sedução. Mesclando aventura, romance e terror, ‘Alma e Sangue: o despertar do vampiro’ é uma história de tirar o fôlego. O início promissor de uma saga apaixonante, que continua em ‘Alma e Sangue: o império dos vampiros’.

Anno Domini Manuscritos Medievais – Nazarethe Fonseca e outros

Nazareth Fonseca acaba de participar da coletânea de contos medievais Anno Domini Manuscritos Medievais com o conto O Preço da Vingança que tem a seguinte sinopse:
Uma batalha será decidida com mais um confronto. Uma guerreira e todo um exército se enfrentaram. Suas únicas armas, o ódio e a magia.
O livro foi publicado pela Tarja Editorial e pode ser achado no link abaixo:
O livro reúne contos que mergulham na Idade Média em seu conceito mais amplo. História e fantasia se misturam, mesclam o real e o imaginário, evocam magia, aventura, luz e escuridão. Reis, bluxas, magos, guerreiros dragões, simples camponeses… Todos enfrentam as próprias batalhas numa atmosfera sombria e irrespirável, por vezes, lírica e cativante. Estes manuscritos medievais apresentam o trabalho de jovens escritores, pouco ou mais conhecidos, e também de autores veteranos, como Nazareth Fonseca, Raphal Daccon, Claudio Villa e Madô Martins. Uma viagem a um passado muito mais presente em nossas vidas do que imaginamos.

Necrópole – Série de 3 livros

Não deixe procurar estes e outros lançamentos no site da Submarino, acesse o hiperlink de nosso blog acima.

Necrópole: Histórias de Vampiros

Isto é Necrópole: Histórias de Vampiros. Um livro que reúne cinco talentos da literatura de suspense e terror, cada um deles apresentando uma história com 30 páginas, ambientada em uma metrópole genérica. Os vampiros – criaturas misteriosas e ao mesmo tempo tão difundidas na literatura – são apresentadas pelos autores em tramas bem estruturadas e inusitadamente surpreendentes. Este é o primeiro volume de uma coleção que a editora Alaúde pretende dedicar ao segmento suspense/terror.

Necrópole: Histórias de Fantasmas

Desde que a humanidade começou a formular seus primeiros pensamentos racionais, algumas perguntas pairam sem resposta:Haverá vida após a morte? Existe realmente uma alma imortal? E se existir, poderão algumas delas continuar vagando entre nós, invisíveis, impregnadas de sentimentos conflitantes e por vezes perversos, manipulando nossos medos e povoando nossos piores pesadelos?Em cada uma das sete histórias que compõem este volume uma situação nova surgirá, reacendendo estas dúvidas, jogando-nos de cabeça numa realidade cruel, na qual a morte, ao invés de um alívio, na verdade é o início de um horror ainda maior.Necrópole? Histórias de Fantasmas é o segundo volume de uma coleção dedicada à nova nata do suspense e do terror. A cada livro, um tema diferente, sempre com escritores brasileiros, que apresentam histórias distintas, mas o mesmo cenário: a Necrópole, metrópole que noite e dia digere nossas almas, gerando em seu ventre cadáveres célebres e assassinos anônimos

Necrópole: Histórias de Bruxas

É o terceiro volume da Coleção Necrópole. Surge como uma resposta ao sucesso de Necrópole: histórias de vampiros e Necrópole: histórias de fantasmas, que conquistaram leitores ávidos por publicações nacionais de suspense, terror e fantasia. A coleção originou-se do NecroZine, periódico bimestral com contos de suspense e terror, distribuído em eventos culturais como forma de propagação desse gênero literário. Seus criadores – Alexandre Heredia, Camila Fernandes, Gianpaolo Celli e Richard Diegues – recebem, neste volume, o reforço de dois talentosos convidados: Eric Novello e Nazarethe Fonseca. Como já acontecia nos contos publicados em NecroZine, na coleção Necrópole os elementos de suspense e terror são dosados com habilidade. O resultado são narrativas bem conduzidas e abordagens sutis. Daí essas histórias agradarem até mesmo quem não é fã do gênero de terror. Neste livro, os leitores são envolvidos pelas tramas no ritmo violento de Alexandre, na aguda sutileza de Camila, na agilidade sarcástica de Eric, na marcante acidez de Gian, na sensualidade de Nazarethe e na profundidade psicológica de Richard. Com esta obra em mãos, você perceberá que Necrópole é mais que uma simples coleção. Ela é fruto de uma proposta forte, de quem não apenas escreve literatura de terror e fantasia, mas faz questão de provocar arrepios de verdade!

Nazarethe Fonseca – Entrevista

Esta entrevista foi extraído do blog da Nazareth que serve para trazer mais informações sobre esta escritora ainda obscura junto ao grande público, mas de uma qualidade no texto sem precedentes.

EXTRAÍDO DO BLOG DA ESCRITORA.

Depois do lançamento do livro tenho recebido diversos e-mails com perguntas sobre o livro, os personagens, como escrevi a historia. Enfim como tudo isso começou. Marinalda Machado, uma grande amiga, resolveu fazer delas uma entrevista e aqui esta o resultado de seu trabalho. Espero que gostem.http://almaesangue.blogspot.com/

“É dos meus sonhos que os personagens surgem. Jan Kmam surgiu em um sonho e nunca mais me deixou”.

A exatos 11 anos, às duas horas da manhã a última página de ALMA E SANGUE, O DESPERTAR DO VAMPIRO foi datilografado. Ali terminava o trabalho de oito meses de Nazarethe Fonseca, que somente almejava passar seu “sonho” a limpo, afinal o livro foi datilografado em folhas recicladas de papel de computador. O original tem aproximadamente seiscentas páginas, e quase foi devorado por formigas, fogo, e até mesmo mofo! Jamais sonhou enviar a historia para uma editora, porque o achava muito pessoal. Só queria encaderna-lo para facilitar a leitura! Os mistérios de ALMA E SANGUE são muitos e seu caminho até a prateleira das livrarias longo e árduo. O livro tem conseguido agradar um público variado, que o lê não esquece e encontra em suas 431 paginas um romance apaixonante, forte, irritante e por vezes hilário entre uma mortal e um vampiro de quatrocentos anos. Marinalda Machado.

No livro há uma foto, o ano em que nasceu, o local, e o modo “peculiar” como tratou seu primeiro livro. E então, como foi que começou a escrever?
Posso falar do “antes” e do “depois”, afinal nunca tive disposição para cadernos de poesia, um diário quando adolescente. (risos) Mas sempre li muito, ficava horas na biblioteca da escola lendo, passeando pelas estantes escolhendo livros. Cheguei a ganhar uma medalha por ser a aluna que mais livros pegou emprestado na biblioteca. Por muito pouco não me tornei CDF! Mas sem jamais escrever algo, gostava de transcrever frases, poemas nos cadernos, agendas escolares de grandes escritores, mas nada de minha autoria. Isso mudou aos 15 anos quando tive um sonho, lembro de acordar, ir para sala, pegar um caderno, lápis e escrever. O dia tava nascendo quando terminei.

Foi seu primeiro livro?
O que acabou virando cinzas? (risos) O próprio. Era uma historia policial, romântica, uma maravilha!

Mas porque resolveu queimar livro?
Após o sonho comecei a escrever compulsivamente, não respeitava os cadernos da escola. As idéias brotavam no meio da aula, enquanto estudava, minha cabeça virou uma confusão. O resultado foi nota baixa, e bronca, hoje lembro disso com alegria, mas na época foi um drama!Mamãe cobrou notas, por fim descobriu meu livro e leu sem minha permissão. Isso para um adolescente é a morte. E para mim também foi, lembro de ter chorado, por fim fui na casa de uma amiga e no quintal da casa queimei meu livro. Foi estranho porque após queimar o livro me senti melhor. E naquele ano fui reprovada.(risos). A lição é obvia, não estava pronta para meus textos.

E como voltou a escrever? Afinal só voltou a fazê-lo ao 21 anos, ficou traumatizada?
Não. Só não pensava mais no assunto, foi como se toda aquela enxurrada de idéias houvesse desaparecido. Trauma nenhum ficou, pois continuei lendo livros vorazmente. Só uma coisa me chamava atenção, sempre que colocava a data nos cabeçalhos dos cadernos, duas datas surgiam involuntariamente 1572 e 1872. Mas aos 21 anos tive outro sonho e nele as duas datas surgiram. Acordei supertranqüila, fui para a sala e vi o dia nascer, não escrevi nada, deixei tudo em minha mente. O sonho foi maravilhoso, queria guardar ele comigo, dividir com o papel não passava por minha cabeça. Um mês depois meu pai comprou uma máquina de escrever de segunda mão. Aprendi a datilografar passando um caderno de receitas culinárias da minha mãe a limpo. Quando terminei organizei o papel sobre a mesa e comecei a escrever ALMA E SANGUE.

Quanto tempo levou para o livro ficar pronto?
Oito meses.
Levou oito meses para escrever um sonho?
No sonho havia a idéia, os ingredientes, o resto surgiu ao longo dos meses que escrevia e aprendia como escrever. A narrativa no meu caso foi à escolha mais lógica porque na verdade contava o que havia visto, vivenciado no sonho. E confesso, não teria saído de outro modo. Hoje ao escrever percebo que meu texto evoluiu e muito.

Mesmo com a idéia central do livro surgindo de um sonho, você se sente influenciada por algum escritor?
Sim, muitos. Tudo que li e ouvi ficou e me influenciou de algo modo, me levou até Jan Kmam. Leio de tudo, pois ler para mim é um grande prazer. Com o tempo percebi que gostava muito de Edgar Allan Poe, de Byron, Shakespeare, Charles Baudelaire. Via seus rostos nos livros envoltos em mistério e os imaginava vivos. Passei um bom tempo lendo biografias das grandes personagens da historia. Adorava saber dos detalhes sobre suas vidas. O que faziam, quem amaram, como viveram e morreram. A curiosidade aumentava à medida que o livro não contava tudo eu procurava em um outro, e mais um e logo havia pesquisado muita coisa sem perceber.

O que passou por sua cabeça quando terminou ALMA E SANGUE?
Dormir! Estava muito cansada, a mente vazia. Era madrugada quando datilografei a última página. Na manhã seguinte dei para minha mãe lê, ela foi a primeira. E é minha maior incentivadora, hoje em dia, acho que é graça a ela que o livro foi publicado. Mas isso não foi logo demorou, pois na verdade o escrevi para tirar ele da minha cabeça. O que no começo pareceu prazeroso se tornou uma tortura, pois me perdia por horas lembrando das imagens, ouvindo os diálogos. E isso dá dor de cabeça. Os via em meus sonhos, acordava pronta para escrever, enchi vários blocos com descrições, com as brigas de Kara Ramos e Jan Kmam.

Como é sonhar com Jan Kmam?
Afinal quem leu o livro se surpreende, se apaixona por seu charme, beleza. Jan Kmam é um vampiro bem diferente da maioria.

Como você o vê?
De fato, Jan é extraordinário, não há como ficar indiferente a sua presença. Como Kara bem o descreveu, ele é perfeito.(risos)

Então o descreveu Jan Kmam exatamente como o viu?
Em cada olhar, gesto, sorriso, ordem e sussurro.

É verdade que Jan Kmam foi chamado de machista?Como ficam as constantes brigas entre ele e Kara Ramos?
Sim, algumas leitoras me escreveram e o chamaram de machista, mas que mesmo assim o achavam maravilho. O que posso dizer em sua defesa, é que, Jan Kmam é um homem de um outro século, que se transformou em vampiro, que viu transformações através dos séculos, mas conservou sua personalidade. Acredita que a mulher é um ser frágil, que deve ser protegido, e até certo ponto, submisso. Kara, no entanto é uma mulher de nossos dias independente, teimosa, atrevida, mora sozinha. O choque entre eles é inevitável.

Em que ano terminou de escrever o livro e como foi a publicação?
Terminei de escrever o livro em 96 e publiquei a primeira vez em 2001. Na época havia deixado Natal e morava em Fortaleza. Lá passei pela lei de incentivo a cultura, captei recursos, fui atrás de uma editora e o livro saiu. Não me orgulho da primeira edição, o livro não recebeu o tratamento que merecia. Cheguei a desejar nunca ter editado um livro! Mas como Jan Kmam costuma dizer: “Tudo tem um tempo certo, e o tempo é agora”. O livro foi tratado com carinho, revisado e relançado com sucesso pela editora, NOVO SÉCULO.

É verdade que ao ver a capa você chorou?
É verdade. Estava super tensa com o lançamento, queria o melhor para “meus meninos” (como ela chama os personagens). Quando olhei a prova da capa percebi todos os meus desejos estavam ali reatados. Ela foi concebida por Carlos Guimarães. Ele deve ter lido meus pensamentos.(risos)Para encerrar, Nazarethe Fonseca acredita em vampiros? Ainda resta alguma duvida?(risos)

Nazarethe Fonseca – Kara & Kmam – Uma Saga de Alma e Sangue

A Editora Tarja Editorial está publicando o livro Kara & Kmam Uma Saga de Alma e Sangue de Nazareth Fonseca, apesar de eu ter cogitado que tratava-se um pseudônimo de André Vianco parece que agora começo a me convencer que não é, pois a escritora apareceu dando uma entrevista seu blog.

http://almaesangue.blogspot.com/

Veja a sinopse do livro abaixo: Um casal de vampiros se vê em meio a uma grande rede de intrigas, perigos e poder. Sua existência é regada a doses vertiginosas de romance e sedução, do tipo que somente as criaturas da noite são capazes de criar. E, como não poderia deixar de ser, igualmente permeada de interesses, jogos de poder e vingança. Os protagonistas da trama já são velhos conhecidos dos amantes dos vampiros; surgiram aos milhares nos velhos séculos e suas histórias foram contadas em Alma e Sangue, o despertar do vampiro. Agora ressurgem com muito mais paixão e fascínio para dar continuidade a esta saga de alma e sangue.

Não deixe de procurar por este livro na Submarino em nosso link acima.

Nazarethe Fonseca – Alma & Sangue

No mesmo estilo de André Vianco e com prefácio do mesmo surgiu no mercado editorial em 2005, o livro Alma & Sangue – Despertador do Vampiro de autoria de Nazareth Fonseca.

O mais incrível é verificar a contracapa, e ver uma imagem da escritora totalmente fosca, borrada, com se fosse a lápide de um túmulo. Quando eu fiz a leitura do livro, não consegui desplugar do mesmo, antes de terminar, e na minha concepção, li muitos traços no mesmo, que levaram a crer que Nazareth poderia ser um pseudônimo de André Vianco. Depois de sucessivas buscas na internet, achei muito pouca informação sobre a mesma e além disso, através de contato direto via mail com Vianco, o mesmo negou que fosse seu pseudônimo.

Mas, a cada mês que passa do lançamento original, mais eu me convenço que estamos falando do mesmo talento, inclusive porque depois deste lançamento, a escritora não lançou nenhum outro livro, apesar das informações sobre a mesma dizerem que ela tem diversos livros prontos e em contraponto a isso, André Vianco vem se dedicando as várias de suas séries, o que pode denotar uma falta de tempo para se dedicar a sequência do livro, que segundo as informações obtidas terá o título de Alma & Sangue – Coração Vampiro. Vamos aguardar os próximos capítulos. De toda forma, segue a sinopse do livro que tem 432 páginas e foi publicado pela Editora Novo Século (a mesma de Vianco), pois também é um excelente divertimento sobre Vampiros.

“Um vampiro desperta em São Luís, num casarão abandonado, e apaixona-se pela restauradora do imóvel. A partir daí a história se desenvolve num vaivém amoroso. Intrigas, falsidade, poder, vingança; tudo em nome do amor. Os personagens centrais são fortes, decididos, seja para o bem ou para o mal, dando o toque de suspense e de reviravolta nas tramas. A autora narra os encontros e desencontros de Jan Kman e Kara Ramos através dos séculos. As surpresas e as ironias da vida. O amor e o ódio caminhando juntos. A tentativa de Kara de fugir de um destino já traçado. Um romance envolvente e de tirar o fôlego, Alma e Sangue será um livro inesquecível para os leitores que buscam romantismo gótico ou que têm a intenção de conhecer melhor esses que são os maiores e mais temidos caçadores da noite: os vampiros.”