Smile! You’re at the best WordPress.com site ever

Arquivo para a categoria ‘Marion Zimmer Bradley’

Marion Zimmer Bradley – O Incêndio de Trõia


A Editora Imago está publicando O Incêndio de Tróia de Marion Zimmer Bradley que tem a seguinte sinopse:

Em O Incêndio de Troia, Marion Zimmer Bradley, autora de As Brumas de Avalon, recria a história da Guerra de Troia – e a narra a partir do ponto de vista de Kassandra, bela e atormentada princesa de Troia. Na brilhante recriação que autora faz da famosa lenda, a queda de Troia acontece de uma forma nova e ousada, desde a provação de Páris, o rapto de Helena (neste livro, não a cruel adúltera da lenda, mas uma mulher afetuosa, dedicada a Páris e aos filhos) e a convocação dos exércitos gregos por Agamenon, o enfurecido cunhado de Helena, à tragédia final da destruição da cidade, condenada pelos deuses – e pelo orgulho voluntarioso de seus líderes. A heroína deste épico é Kassandra, e a forte tensão do romance provém tanto da luta interna desta com seu sentimento de lealdade dividido (pois sua lealdade ao pai, o rei, e aos irmãos é contraposta à crescente fidelidade à velha fé no matriarcado e na Mãe Terra) quanto do sério conflito entre gregos e troianos, no qual ela – abençoada, ou amaldiçoada, que é com o poder da profecia – prevê de forma obsessiva que tudo aquilo que mais ama será destruído. O romance começa com o nascimento de Kassandra e de seu irmão gêmeo Páris. Este é criado por uma família de pastores, em virtude de uma profecia de que gêmeos trazem má sorte. Kassandra cresce sem sequer saber da existência do irmão – a não ser pelas visões inexplicáveis em que enxerga os ventos através dos olhos dele… Sua mãe, a rainha Hécuba, era uma amazona antes de se casar, e quando Kassandra está prestes a se tornar mulher, é enviada para passar um ano com as tribos das amazonas, onde toma conhecimento dos poderes das mulheres antes que estas fossem subjugadas por uma nova onda de patriarcado. Ao voltar para Troia, Kassandra dedica-se a tornar-se sacerdotisa de Apolo, o Deus-Sol; mas, dentro dela, desenvolve-se um conflito forte e perturbador entre os “velhos costumes”, em que as mulheres mandavam e a religião originava-se da Mãe Terra, e o novo mundo de deuses e reis do sexo masculino – um mundo caracterizado por disputas sem sentido e uma ânsia de sangue que levam ao cerco de sua amada cidade.

Anúncios

Marion Zimmer Bradley & Diana L. Paxson – Os Corvos de Avalon

A Editora Rocco está publicado o livro Os Corvos de Avalon de Marion Zimmer Bradley e desenvolvida por sua colaboradora Diana L. Paxson que tem a seguinte sinopse:
Mulheres fortes que desafiam o poder para defender seu povo e suas crenças são as protagonistas de Os corvos de Avalon, mais um volume da saga fantástica imaginada por Marion Zimmer Bradley e desenvolvida por sua colaboradora Diana L. Paxson. A lendária rainha celta Boudica, que liderou uma revolta contra os invasores romanos, mistura-se a personagens ficcionais no livro, que relata sua amizade com a sacerdotisa druida Lhiannon.
Segundo Diana L. Paxson, este é o livro de Mario Zimmer Bradley com maior cuidado às referências históricas. Afinal, Boudica tornou-se uma figura lendária cultuada pelos britânicos que chegaram a relacioná-la, no século XIX, à rainha Vitória, a soberana que esteve no poder por quase 40 anos – o mais longo reinado entre os monarcas britânicos. Partindo de uma idéia de Marion Zimmer Bradley, de que os chefes nativos da Britânia enviariam seus filhos para estudar em Avalon, Diana desenhou uma ligação entre Boudica e Lhiannon, criando um romance histórico entrelaçado ao universo de fantasia criado por Marion, apresentando as origens do que seria a lenda de Camelot, do Rei Artur e dos Cavaleiros da Távola Redonda.
O livro apresenta a conquista da Britânia pelos romanos pela ótica das jovens Lhiannon e Boudica, que se conhecem na ilha de Mona (hoje, Anglesey), um importante santuário druida, a noroeste do atual País de Gales. Atendendo a interesses políticos, Boudica se casa com o Prasutagos, rei dos icenos, que viviam na atual região de Norfolk. Lhianon, que vive o dilema de assumir seu amor por um outro sacerdote ou manter-se virgem e casta para atender ao desejo de chegar ao posto de grande sacerdotisa, vai encontrar a amiga quando Prasutagos morre. Boudica protesta quando suas terras são tomadas pelos romanos, que, em represália, violentam suas duas filhas. A rainha, então, conclama as tribos a lutarem contra os invasores.
No ano 61 da era cristã, a crise deflagrada por Boudica quase levou os romanos a abandonarem as terras britânicas. Um símbolo de resistência e coragem, a rainha lendária, cujo nome significa vitoriosa, teve sua personalidade e atos exaltados por historiadores romanos, como Tacitus e Cassios Dio. Entre 70 mil e 80 mil pessoas morreram nas cidades Camulodunon (atualmente, Colchester), Londinium (Londres) e Verlamion (St. Albans). O centro comercial Londinium foi abandonado para os rebeldes, que a incendiaram, matando quem não havia fugido com o governador Suetônio.
Em Os corvos de Avalon, quando Boudica é derrotada por Suetônio, ela pede a Lhiannon que zele por sua família. Os corvos do título são os rapazes que formam a Sociedade dos Corvos – mostrada por Marion Zimmer Bradley em A Casa da Floresta –, integrada pelos filhos das sacerdotisas violentadas por soldados romanos no ataque à Mona. Com esta bem contada história épica, que mescla mito e fantasia, Diana Paxson homenageia Bradley, criadora de personagens femininas tão fortes quanto a inesquecível Morgana, do primeiro livro da série que há décadas encanta milhões de leitores.