Smile! You’re at the best WordPress.com site ever

Arquivo para a categoria ‘Juremir Machado da Silva’

Juremir Machado da Silva – 1930: Águas da Revolução


A Editora Record publicou 1930: Águas da Revolução de Juremir Machado da Silva que tem a seguinte sinopse:

A Revolução de 1930, liderada pelos estados de Minas Gerais, Paraíba e Rio Grande do Sul, que culminou com o golpe de Estado que depôs o presidente da república Washington Luís — impedindo a posse do candidato eleito Júlio Prestes, e levando Getúlio Vargas ao poder — foi, para muitos historiadores, o movimento mais importante da história do Brasil do século XX — a revolução que pôs fim ao domínio das oligarquias no cenário político nacional e à República Velha.

Se toda guerra é uma guerra de versões, a Revolução de 1930 não é diferente. Neste romance sobre as conspirações, fatos e causas do movimento, o professor, escritor e jornalista Juremir Machado da Silva dá voz de um de seus soldados, Gabriel d’Ávila Flores, de 98 anos, que costura, com suas memórias, todas as outras.

Entre intrigas de tenentes, estratégias políticas, a vida de Gabriel aparece nas pequenas coisas: a paixão por uma artista de circo, o sonho de entrar para o Colégio Militar de Porto Alegre, a carreira no Exército.

Gabriel lutou em 1930 ao lado dos legalistas, contra os revolucionários de Getúlio Vargas. Em 1932, engrossou as colunas do Exército de Getúlio contra os paulistas. Lutou, viu o Estado Novo chegar e a volta da democracia. Viu Getúlio retornar ao poder e a comoção provocada por seu suicídio. Ele é o guia em uma era de convulsões políticas. Um tempo de homens quase quixotescos, superando obstáculos apenas com coragem e ousadia.

Juremir Machado revela aqui a revolução dentro da revolução. Uma revolução inesperada e secreta. A revolução de Getúlio Vargas dentro da Revolução de 1930. A revolução social dentro da revolução dos conservadores. A revolução que levaria à contrarrevolução e que entraria para a história.

O levante do Forte de Copacabana — derrota que seria o estopim da vitória que viria oito anos depois, sob a liderança de Getúlio —, a relação do estadista com seus aliados, as ideias que agradaram e desagradaram a todos… Juremir analisa todos os aspectos de um episódio repleto de consequências para a configuração do Brasil contemporâneo. Uma revolução que, nas palavras de seus próprios articuladores, não foi boa nem má. Mas indispensável e, como tal, invencível.

Anúncios

Juremir Machado da Silva – História Regional da Infâmia


A L&PM está lançando HISTÓRIA REGIONAL DA INFÂMIA de Juremir Machado da Silva que tem a seguinte sinopse:

A Revolução sem mitos

História regional da infâmia – O destino dos negros e outras iniquidades basileiras (ou como se produzem os imaginários) é um livro que contesta os mitos que por séculos sustentaram o imaginário acerca da Revolução Farroupilha. Juremir Machado da Silva, romancista, professor universitário, ensaísta, historiador e tradutor, juntamente com uma equipe de dez pesquisadores, se debruçou sobre 15 mil documentos para trazer à luz este minucioso estudo sobre as verdadeiras causas da Guerra dos Farrapos.

Assim como Jorge Luis Borges em sua História universal da infâmia, Juremir tira do pedestal da glória os grandes heróis da Revolução – Bento Gonçalves, David Canabarro, general Neto, Vicente da Fontoura, entre outros – e os devolve ao plano terreno dos mortais, revelando como interesses pessoais corroeram o lema revolucionário de “liberdade, igualdade e humanidade”. O autor também questiona a origem dos recursos financeiros que possibilitaram a Revolução Farroupilha. Por trás dos discursos abolicionistas havia o sistemático financiamento da luta armada com a venda de negros e promessas vazias de liberdade aos cativos que nela lutassem.

Sem receio de tocar em tabus da história gaúcha, Juremir alimenta a discussão sobre uma possível traição na batalha de Porongos, quando grande parte dos negros foi massacrada num ataque surpresa das forças imperiais, sustentando que a batalha não passou de um estratagema para o aniquilamento dos negros revolucionários.

História regional da infâmia revela em detalhes os bastidores dessa revolução de estancieiros gaúchos que, em quase dez anos de luta, contabilizou menos de 3 mil mortos – número que reduz o conflito a uma dimensão infinitamente menor do que aquela ensinada nas escolas. A partir da análise da mistificação criada por historiadores que não só incharam a história e a importância da revolta, como também deturparam suas principais causas e escolheram seus heróis, o autor mostra que a Revolução Farroupilha acabou bem – ao menos para os seus líderes, que foram regiamente indenizados pelos vencedores imperiais.

Juremir Machado da Silva – Para Homens na Crise dos 40: e Mulheres Interessadas em Compreendê-los

A Editora Sulina publicou o livro Para Homens na Crise dos 40: e Mulheres Interessadas em Compreendê-los de Juremir Machado da Silva, que pode ser encontrado no link da submarino acima, veja a sinopse abaixo:

O que acontece quando um homem dobra a esquina dos 40 anos de idade? Perde o tino? Passa a ouvir Nando Reis? Alcança a idade da razão? Fica em casa para ver a novela das oito? Rouba as roupas do filho adolescente e cai na balada? Enfurece-se ao ser chamado de tio pelas amigas da filha? Entra, de fato, na chamada crise dos 40? Segundo os mais pessimistas, as conseqüências dessa revolução etária podem ser tão graves que o indivíduo, em geral, não escapa de duas possibilidades extremas, divórcio ou mudança de opção sexual, uma ou outra, ou as duas, e de uma possibilidade devastadora, hiperextrema, dessas que atingem o caráter de uma pessoa: muda de time de futebol. Na crise dos 40, o homem começa a ter dificuldades para compreender a alma feminina. Na tentativa de pôr ordem na casa, cai em simplificações e divide as mulheres em três categorias: interessantes, interessadas e interesseiras. Sai em busca de uma interessada interessante. No mais das vezes, encontra uma interessante interesseira ou uma interessada sem qualquer interesse. O homem na crise dos 40, vítima da síndrome do lobo, paradoxalmente, perde o faro, mas deixa muitos rastros. Alguns se tornam ateus. Outros, entram em seitas. Uns enxergam discos voadores. Este livro integra a mais alta sabedoria contemporânea da auto-ajuda e apresenta-se como um manual para homens que perderam o norte e para mulheres em busca do sul. É uma seleção de crônicas publicadas no jornal gaúcho Correio do Povo.

Juremir Machado da Silva – Aprender a (Vi)ver

A Editora Record publicou o livro Aprender a (Vi)ver de Juremir Machado da Silva, que pode ser encontrado no link da submarino acima, veja a sinopse abaixo:

Este livro é como uma simples olhada: focaliza o que está bem diante de nós. Um primeiro olhar – enternecido, curioso, espirituoso, às vezes, bem-humorado, talvez questionador – sobre o mundo cotidiano. Uma piscada de olhos para o que atrai, chama atenção, angustia, fascina, surpreende, semeia dúvidas ou simplesmente não encontra respostas. Não se trata de um enquadramento do tipo: “vida: manual de utilização” ou de uma radiografia, mas de alguns pontos de vista ou de algumas vistas de um ponto.

Juremir Machado da Silva – Solo

A Editora Record está lançando um novo livro de Juremir Machado da Silva chamando Solo, , não deixe de buscar seu exemplar através do link do site Submarino em nosso blog que tem a seguinte sinopse:

SOLO conta a vida de um homem dividido entre a busca do sucesso profissional, alcançado precocemente na publicidade, e um grande amor fracassado. O personagem vai ao fundo do poço e desce ao inferno em busca de si mesmo.